Tradicionais lâmpadas incandescentes de 60W estão proibidas em todo o país

Reprodução
Tradicionais lâmpadas incandescentes (60W) estão proibidas em todo o país

As tradicionais lâmpadas incandescentes de 60 watts (60W) estão proibidas em todo país. Desde quarta-feira (1º) a comercialização do produto foi oficialmente interrompida.

A medida faz parte de um processo gradativo, imposto por meio de uma portaria do governo federal de 2010, com objetivo de reduzir o consumo de eletricidade.

A ideia é que o consumidor passe a adotar outras opções disponíveis no mercado, mais caras, mas que também gastam menos e são mais duráveis, como a de LED ou as compactas fluorescentes.

Enquanto uma lâmpada incandescente de 60W poderia ser comprada por R$ 1,50, a compacta fluorescente de 15W (que mantém luminosidade semelhante) custa aproximadamente R$ 10. Já a equivalente em LED, 8W, custa cerca de R$ 20.

A evolução das lâmpadas ao longo da história

1 de 5

Rogério Cassimiro/Folhapress

Anterior Próxima

Ao mesmo tempo, uma lâmpada fluorescente compacta, comparada a uma lâmpada incandescente de luminosidade equivalente, economiza 75%. Já a lâmpada de LED economiza 85%.

Desde junho do ano passado, a produção e a importação dessas lâmpadas incandescentes já havia sido suspensa. O prazo de um ano serviu para que os lojistas tivessem tempo de acabar com os estoques.

Com a proibição, fabricantes, importadores e comerciantes que não atenderem à legislação podem ser multados em até R$ 1,5 milhão.

CRONOGRAMA

Na nova mira do governo agora estão as lâmpadas incandescentes de menor potência, de 25 e 40 watts. Também desde quarta-feira (1º) foi suspensa a fabricação ou importação desses modelos.

O comércio dessas lâmpadas, porém, pode seguir ainda por um ano. Prazo dado para o fim dos estoques no atacado e varejo. Assim, em 30 de junho de 2016, todos os tipos de lâmpadas incandescentes já terão desaparecido do mercado.

Desde 2012 começou a correr o prazo para essas proibições, que começou banindo produtos de maior potência. Modelos de 150W, 200W, 300W e 500W deixaram de ser comercializados em junho de 2013 e os de 75W e 100W em junho do ano passado.

Dados da ONU, divulgados pelo Ministério de Minas e Energia, mostram que a substituição das lâmpadas incandescentes seria capaz de economizar anualmente cerca de 5% de toda a energia elétrica utilizada no mundo.

Fonte: Folha on line